Espaços urbanos

Espaços urbanos
Centro Histórico - Foto Eduardo Schroeder

domingo, 10 de dezembro de 2017

160 anos da imigração alemã - uma justa lembrança!

Há exatos cento e sessenta anos chegavam a Cachoeira os primeiros imigrantes alemães. A sensação da chegada deve ter sido de estupefação, não apenas pela maneira quase trágica de seu desembarque às margens do rio Jacuí, mas também pela paisagem e perspectivas que se descortinavam.

Logo depois da Independência do Brasil, o Imperador Pedro I, incentivado pela imperatriz D. Leopoldina e ciente da necessidade que o país tinha de elemento humano para auxiliar no povoamento de tão extenso território, promoveu a vinda de súditos alemães, oferecendo-lhes terras e meios para delas tirarem o seu sustento. Em contrapartida, essas áreas acelerariam o seu processo de desenvolvimento social e econômico.

D. Leopoldina e D. Pedro I - www.rodrigotrespach.com

Em Cachoeira, as tratativas para a chegada de alemães tiveram início com a determinação do presidente da Província do Rio Grande de São Pedro, Manuel Antônio Galvão, de que a Câmara Municipal informasse qual o local mais apropriado para instalar os colonos. Em julho de 1847, a comissão formada para decidir a questão, composta por Hilário Pereira Fortes, João Teixeira de Carvalho e Silva e Bento Antônio de Moraes, comunicou às autoridades que na margem esquerda do rio Jacuí, no lugar denominado Cerro Agudo, havia matos devolutos, com terras próprias à agricultura e para estabelecimento de uma colônia. A resposta foi encaminhada à Província... Mas dez longos anos se passaram.

Cerro Agudo - Imagem: ACISA

Retomadas as negociações, em julho de 1857 a Câmara de Cachoeira foi autorizada a contratar um agrimensor, Frederico Guilherme Wedelstaedt, para medir as terras e escolher o local para construção do barracão para alojamento inicial dos colonos. A futura colônia receberia o nome de Colônia Santo Ângelo, em homenagem ao Presidente da Província, Ângelo Muniz de Ferraz.

Finalmente, em 1º de novembro de 1857, o primeiro grupo de imigrantes, oriundos da região da Pomerânia, chegou ao local determinado. Embarcados no porto de Hamburgo, ao saberem estar perto do local de desembarque, tinham a expectativa de avistar o “porto da Colônia”. Logo perceberam que não existia porto algum... Decepcionados, quiseram desistir e voltar. Mas o cansaço da viagem e a ilusão da “terra prometida” fizeram-nos descer do vapor D. Pedro e dar uma espiada no lugar. Viram apenas mata fechada e não puderam divisar o horizonte. Desolados, voltaram para o vapor e, surpresa maior, verificaram que o barco zarpara, deixando descarregadas suas bagagens.

Cais do porto de Hamburgo no século XIX - http://www.sundfeld.meiovirtual.net

Aqueles desavisados primeiros alemães eram das famílias de Franz Pötter, August Pötter, Julius Neujahr, Daniel Fiess, Wilhelm Holz e Peter Finger. Um segundo grupo de colonos chegou em 25 de novembro de 1857, permanecendo alguns dias na Vila de Cachoeira à espera de conduções para chegarem à colônia. Era constituído de treze famílias: Roggenbach, Bartz, Streeck, Fenner, Leusin, Wilke, Roos, Laasch, Ritter, Seubert, Becker, Graffunder e o solteiro Herrmann Raatz. O terceiro e último grupo a chegar, conduzido pelo Barão von Kalden, era composto por alemães que tinham lutado pelo Império Brasileiro – os “Brummer”- na guerra contra o ditador argentino Rosas. Eram eles: August Brendler, Heinrich Haidmann, Wilhelm Köhn, Heinrich Eckert, Karl Koblens, Karl Homrich, Heinrich Ehlers, Wilhelm Buckow, Luiz Berger e Luiz Zimmermann.

Barão von Kalden - Editora Werlang

Pedro Rockenbach, menino alemão que vivenciou a mudança para o Brasil, deixou relatadas as situações acima descritas. Ao segundo grupo de colonos ele atribuiu mais sorte, porque quando chegou o barracão já estava erguido, embora ainda sem divisórias e aberturas. O terceiro grupo, composto por homens que estavam acostumados às aventuras na América, foi mais previdente: veio a cavalo para verificar a situação antes de se estabelecer.

Cento e sessenta anos depois, a antiga Colônia Santo Ângelo desmembrou-se em vários municípios, todos jovens ainda, mas com uma rica cultura alicerçada no trabalho e nas tradições de homens e mulheres que trouxeram da Europa um modo de vida que imprimiu diferenças significativas a este pedaço do Brasil. Quanto a Cachoeira, cujas terras abrigaram a Colônia Santo Ângelo, muito proveito obteve da imigração e deve aos sobrenomes alemães muitos de seus principais impulsos.

A todos os descendentes destes bravos: Ein Prosit!

8 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Sou colega de Cordula Eckert, filha de Kurt Benno Eckert. Pastor por muitos anos da comunidade evangélica luterana de Cachoeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, conheci o pastor Eckert. Era uma referência para os luteranos e publicou alguns livros sobre a história da comunidade alemã. Abraço.

      Excluir