Espaços urbanos

Espaços urbanos
Centro Histórico - Foto Eduardo Schroeder

domingo, 21 de janeiro de 2018

Augusta ou Augusto?

A surpresa que causou a muita gente a denominação da Rua Major OURIQUE, sem o “s” final, e que inclusive consta grafada com erro nas placas, nos remete a outros casos semelhantes que há na nomenclatura urbana, como por exemplo a Rua Henrique Möller, que alguns insistem em chamar erroneamente de Henrique Müller. Mas talvez o caso mais sério de troca seja o do Bairro Augusta, em que o gênero do homenageado não corresponde à pessoa que determinou a denominação.

Longe de ser uma mulher, o patrono daquele bairro é Augusto Ristow, natural de Candelária, filho de Carlos Ristow e Margarida Heinrich Ristow, nascido no dia 13 de maio de 1872.

Augusto com os pais e irmãos - acervo da famíia

Augusto casou com Matilde Zillmer e o casal teve os filhos Alfredo, nascido em Rio Pardo no dia 12 de julho de 1896, e Helma, natural de Candelária e nascida em 26 de agosto de 1898.

Augusto e Matilde Ristow - acervo da família

Em 1913, Augusto adquiriu um corte de chácara localizado no 1.º distrito de Cachoeira, lugar denominado Alto do Amorim, de mil setecentos e sessenta metros quadrados.  Agricultor de profissão, dedicou-se a cultivar flores, verduras e à produção leiteira na área que foi depois se expandindo.

Em novembro de 1942, quando contava 72 anos, Augusto Ristow cometeu suicídio. Seu genro, Guilherme João Afonso Stratmann, montou um armazém no local e abastecia as famílias da redondeza. Depois que S. Afonso, como era conhecido, faleceu, a filha Zilda organizou uma vila, loteando e vendendo terrenos. Nascia a Vila Augusto.

Mas como a VILA AUGUSTO virou Vila AUGUSTA e hoje é conhecida como BAIRRO AUGUSTA? A explicação talvez esteja em um erro de grafia no documento que licenciava a vila, emitido em março de 1957 pela Prefeitura Municipal, a despeito de outros documentos de venda de terrenos registrarem corretamente a Vila Augusto.

Alvará de licença para localização - 1957
- acervo da família

O fato é que a homenagem que a família Ristow queria prestar ao patriarca Augusto acabou sendo desvirtuada por um erro de grafia que pode ter sido reforçado pela facilidade de concordância de gênero com a palavra vila. Mais tarde, com legislação municipal que determinou a substituição do termo vila por bairro, o provável desconhecimento do nome do homenageado não promoveu a correção.

Que fique aqui o registro: ainda que o uso tenha consagrado o bairro com o nome de Augusta, a justiça impõe que se diga – Bairro Augusto!

Nota: esta postagem é dedicada à professora Maria Inês Vanti Marques, bisneta de Augusto Ristow, que me permitiu conhecer e contar esta história. 

domingo, 7 de janeiro de 2018

De volta ao passado - janeiro de 1918

Em janeiro de 1918, como é praxe ainda hoje, as páginas dos jornais estampavam mensagens de ano bom. Vários e conhecidos cidadãos e empresas cumprimentavam amigos e fregueses e, de quebra, faziam merchandising pessoal ou profissional, como Ernesto Pertille e família; Germano Prehn e esposa; O Pavilhão Recreio, de José Kern; Pedro Stringuini e família; A Agência Comercial, de Germano Drews; Affonso Vieira da Cunha e esposa; Franz Rother & família; o casal Brandão; Francisco Alves Duarte; Carlos Keil e família; Antonio Cauduro; A Casa do Povo, de Carlos Keil; Frederico G. Richter e família; dentista Oscar Wild, Rua Sete de Setembro, 177; Gasosa, limonada, águas minerais e a bebida Dianna, sem álcool, de Engelberth Gottwald, Travessa 24 de Maio; Hans von Hof, engenheiro civil, oferecia serviços de agrimensura, Rua 1º de Março, 19; Dr. Scopel, clínica na Farmácia Popular; Fábrica de Beldosas-Mosaicos, de Fernando Rodrigues, Rua Saldanha Marinho, 70; Dr. Milan Kras; Pavilhão Recreio “especial salada de frutas todos os dias”, Rua Sete de Setembro; A Cervejaria Moderna, de Augusto Trommer, cervejas tipo pilsen (clara), tipo münchen (escura), chope em barris; Fábrica de Sabão, de Engelberth Gottwald, Travessa 24 de Maio; Germano Preussler & Cia., revenda Ford, Rua Sete de Setembro, 128; Ernesto Barros, advogado; Mario Godoy Ilha, advogado; Grande Fundição e Fábrica de Máquinas Treptow; Banco Pelotense.



Residência e consultório do dentista Oscar Wild (segunda casa)
- Fototeca Museu Municipal


Mensagem dos Brandão (Augusto e Cândida) - O Commercio, 1/1/1918, p. 2
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

A tipografia d’O Commercio também propagandeava que tinha postais de felicitações: “Para o ano novo e Reis idem de figuras com lindos coloridos, ditos humorísticos, recebeu grande sortimento...”

Cartão natalino - Coleção Família Ernesto Müller

Na Igreja Matriz a novidade era o presépio que causou agradável surpresa aos fieis, cujas “estátuas de 85 cm foram confeccionadas no Instituto de Arte Cristã de Porto Alegre.”

O maestro Miguel Iponema havia oferecido à redação do jornal um exemplar impresso contendo a letra e a partitura da Canção Patriótica do Tiro nº 254, cuja música, para piano, era de sua autoria e a letra do capitão Manoel de Faria Corrêa.

Miguel Iponema e sua Banda Musical Estrela Cachoeirense
- Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato

Para o público masculino o jornal anunciava a inauguração, na véspera do Natal de 1917, de um novo centro de diversões, o Eden-Club, já “tendo contratado várias artistas cantoras”.

Mesmo que o tempo tenha consumido todos os protagonistas da primeira edição d’O Commercio de 1918, graças à preservação de sua coleção,  no Arquivo Histórico, e do cuidado de muitas pessoas que guardaram documentos e fotografias, é possível materializar o que há muito virou pó!