Espaços urbanos

Espaços urbanos
Knorr & Eisner iluminado - Imagem Jornal do Povo

domingo, 7 de janeiro de 2018

De volta ao passado - janeiro de 1918

Em janeiro de 1918, como é praxe ainda hoje, as páginas dos jornais estampavam mensagens de ano bom. Vários e conhecidos cidadãos e empresas cumprimentavam amigos e fregueses e, de quebra, faziam merchandising pessoal ou profissional, como Ernesto Pertille e família; Germano Prehn e esposa; O Pavilhão Recreio, de José Kern; Pedro Stringuini e família; A Agência Comercial, de Germano Drews; Affonso Vieira da Cunha e esposa; Franz Rother & família; o casal Brandão; Francisco Alves Duarte; Carlos Keil e família; Antonio Cauduro; A Casa do Povo, de Carlos Keil; Frederico G. Richter e família; dentista Oscar Wild, Rua Sete de Setembro, 177; Gasosa, limonada, águas minerais e a bebida Dianna, sem álcool, de Engelberth Gottwald, Travessa 24 de Maio; Hans von Hof, engenheiro civil, oferecia serviços de agrimensura, Rua 1º de Março, 19; Dr. Scopel, clínica na Farmácia Popular; Fábrica de Beldosas-Mosaicos, de Fernando Rodrigues, Rua Saldanha Marinho, 70; Dr. Milan Kras; Pavilhão Recreio “especial salada de frutas todos os dias”, Rua Sete de Setembro; A Cervejaria Moderna, de Augusto Trommer, cervejas tipo pilsen (clara), tipo münchen (escura), chope em barris; Fábrica de Sabão, de Engelberth Gottwald, Travessa 24 de Maio; Germano Preussler & Cia., revenda Ford, Rua Sete de Setembro, 128; Ernesto Barros, advogado; Mario Godoy Ilha, advogado; Grande Fundição e Fábrica de Máquinas Treptow; Banco Pelotense.



Residência e consultório do dentista Oscar Wild (segunda casa)
- Fototeca Museu Municipal


Mensagem dos Brandão (Augusto e Cândida) - O Commercio, 1/1/1918, p. 2
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

A tipografia d’O Commercio também propagandeava que tinha postais de felicitações: “Para o ano novo e Reis idem de figuras com lindos coloridos, ditos humorísticos, recebeu grande sortimento...”

Cartão natalino - Coleção Família Ernesto Müller

Na Igreja Matriz a novidade era o presépio que causou agradável surpresa aos fieis, cujas “estátuas de 85 cm foram confeccionadas no Instituto de Arte Cristã de Porto Alegre.”

O maestro Miguel Iponema havia oferecido à redação do jornal um exemplar impresso contendo a letra e a partitura da Canção Patriótica do Tiro nº 254, cuja música, para piano, era de sua autoria e a letra do capitão Manoel de Faria Corrêa.

Miguel Iponema e sua Banda Musical Estrela Cachoeirense
- Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato

Para o público masculino o jornal anunciava a inauguração, na véspera do Natal de 1917, de um novo centro de diversões, o Eden-Club, já “tendo contratado várias artistas cantoras”.

Mesmo que o tempo tenha consumido todos os protagonistas da primeira edição d’O Commercio de 1918, graças à preservação de sua coleção,  no Arquivo Histórico, e do cuidado de muitas pessoas que guardaram documentos e fotografias, é possível materializar o que há muito virou pó!

3 comentários: